Dalcroze - Português

Dalcroze, Artes e Pessoas – parte 1

“Nenhuma arte é tão similar à vida quanto a música.

Pode-se falar que música é a própria vida.” (tradução livre)

E. Jaques-Dalcroze

(Spector , Irwin – Rhythm and Life, The work of Emile Jaques-Dalcroze, Dance and Music Series, n. 3 – Pendragon Press, Stuyvesant, NY, 1990)

 

1.    Introdução: minha história pessoal

 

Eu descobri o método Dalcroze de educação musical quando conversava com uma amiga da faculdade de música da UNICAMP, no Brasil. Nós fazíamos parte de um sexteto vocal feminino e discutíamos como seria interessante um trabalho envolvendo música e movimento. Ela cursava Regência na época e disse que eu deveria investigar o suíço Dalcroze e seu método de ensinar música através dos movimentos corporais.

Aquela idéia me fascinou na hora. Eu havia feito cursos em educação musical, e alguns deles descreviam o uso de movimentos para algumas atividades, mas nada específico envolvendo os uso do corpo para entender música.

Eu comecei a pesquisar sobre o método na internet, porque no Brasil não haviam aulas de Dalcroze. Conforme eu lia e Continue reading “Dalcroze, Artes e Pessoas – parte 1”

Dalcroze - English

Dalcroze, Arts and People – part 1

“No art is nearer to life than music.

One can say that music is life itself.”

E. Jaques-Dalcroze

(Spector , Irwin – Rhythm and Life, The work of Emile Jaques-Dalcroze, Dance and Music Series, n. 3 – Pendragon Press, Stuyvesant, NY, 1990)

 

1.    Introduction: A personal history

 

I came across the Dalcroze Method of music education while talking to a very good friend at a Music College in Brazil. We were both members of a female vocal sextet and we were talking about how nice it would be to have music and movement combined together. She was a Conducting Major at the time and said that I should learn about Dalcroze and his method of teaching music through movement.

That idea fascinated me at the time. I had taken some courses in music education, and some of them talked about using the body movements for some activities but nothing specific involving the use of the body to understand music.

I started researching the Dalcroze Method on the Internet, since in Brazil we did not have Dalcroze classes available. As I kept reading and researching, I became more and more intrigued by it. However, in my readings, I could not find a totally Continue reading “Dalcroze, Arts and People – part 1”

CorDaVoz

CorDaVoz na Era dos Festivais

*português* *english*

No dia 24 de agosto de 2013, o Madrigal CorDaVoz apresentou o espetáculo “CorDaVoz na Era dos Festivais”.

Poder cantar e dividir o palco com esses grandes amigos no Brasil é sempre motivo de muita alegria e emoção para mim! No repertório desse concerto, clássicos da Música Popular Brasileira que marcaram a década de 60 e mudaram a história da cultura no país.

Numa época bastante fértil e de muita criatividade musical e artística, a coleção de canções vem mostrar a importância de tais músicas dentro da história da MPB, que refletem, em muitas obras, o momento político que passava o país. Nomes como Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Geraldo Vandré, Elis Regina, Rita Lee, Milton Nascimento, entre outros, explodiram para o grande público nesse período.

Aqui algumas fotos desse dia especial!

Você pode conferir mais informações sobre o grupo no site:

http://www.cordavoz.com

Também estamos no Facebook! Procure por Madrigal CorDaVoz.

******************

*english*

Madrigal CorDaVoz presented the concert “CorDaVoz and the Festivals Era” on August 24th, 2013 in Rio Claro, Brazil.

It is always a joyful moment for me to sing with these amazing friends from my hometown.

In the 60’s, Music Festivals were very popular in Brazilian TV. New singers and songwriters provided the audiences with masterpieces that became instant “classics” in the country’s musical scenario.

New names like Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Geraldo Vandré, Elis Regina, Rita Lee, Milton Nascimento, among others, would bring joy, excitement, protest and more, in an atmosphere of harsh political times.

Here some photos of this magical night:

You can check out the group’s info here: (in Portuguese)

http://www.cordavoz.com

Also on Facebook! Look for Madrigal CorDaVoz.

(photos by Daniel Corso)

 

Apresentadores

Presenters

cordavoz

Madrigal CorDaVoz

Continue reading “CorDaVoz na Era dos Festivais”

Artistic Roots

Artistic Roots 2

*português*  * english *

Seguindo a linha raízes artísticas, resolvi mostrar aqui um outro lado. Mas não menos artístico.

Música e arte sempre fizeram parte da minha vida. E manifestaram-se novamente quando concluía meu curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo pela EESC-USP, em São Carlos, SP.

Meu projeto para o TGI ( Trabalho de Graduação Integrado) chamou-se “Equipamento Móvel para Apresentações Artísticas”. Basicamente, tratava-se de um caminhão (semi-reboque rodoviário) que se transformaria em um palco para apresentações artísticas diversas em espaços públicos da cidade.

tgi1

A proposta para tal equipamento móvel se caracterizava pela locomoção do “palco móvel”, que percorreria ruas de cidades, despertando a curiosidade das pessoas, e uma vez instalado, convidaria os cidadãos ao espetáculo.

Continue reading “Artistic Roots 2”

CorDaVoz

Natal CorDaVoz 2012 & Concerto Aldo Zottarelli Jr e Convidados

Natal_2012_cartazAmigos do Brasil!!!

 

Duas super apresentações de final de ano em Rio Claro!

 

A primeira é o concerto Natal CorDaVoz 2012, com muitas surpresas no repertório!

Participações especiais de:

Mauricio Zottarelli (Percussão)

Ibrahim Buttros e Oeber Naitzki (Violões)

Dia 20 de Dezembro, às 20:30h, no Casarão da Cultura (Av. 3, esquina com Rua 7)

 

 

No dia 21 de Dezembro, Aldo Zottarelli Jr convida músicos consagrados da cidade para uma noite de muita música!

Jazz, MPB, Seresta, Fado e muito mais! Vale a pena conferir!

Às 20h no Grupo Ginástico Rioclarense.

 

Espero vocês lá! 🙂

Bate Boca

Bate Boca

*português*   *english*

Quando cursava Música Popular na UNICAMP, fiz parte de um sexteto vocal feminino muito legal chamado Bate Boca.

Com direção musical de Sérgio Alberto Oliveira e Cíntia Onofre nos acompanhando ao piano, vivemos bons momentos de música e amizade!

Com Ana Paula Emerich, Analia Chernavsky, Caroline Blumer, Daniela Rezende, Marisa Molchansky e eu, nos Continue reading “Bate Boca”

CorDaVoz

Madrigal CorDaVoz

*português*  *english*

As pessoas que me conhecem sabem que uma das minhas grandes paixões é o canto em grupo, o canto coletivo, o canto coral.

Em Rio Claro, SP, sou a diretora musical do Madrigal CorDaVoz desde 1998. Éramos então o Coral Jovem da Matriz de São João Batista. Juntei-me a esse maravilhoso grupo em 1995, quando ainda estava sob a regência da querida e empreendedora Ir. Hermínia M. Zago.

Foi ela que um dia, plantou a sementinha em minha cabeça, “Milene, já pensou, um dia, você, dirigindo corais?!” Confesso que na hora, achei a idéia meio absurda….. Eu ainda cursava arquitetura, e música sempre foi muito importante na minha vida, mas que corria paralelamente às minhas ambições profissionais.

Mas não é que ela estava certa? No Coral Jovem, como era carinhosamente conhecido, me dei conta da beleza da união das vozes cantando em harmonia.

Em 1998, Ir. Hermínia estava afastada e contávamos com outro competente regente, o Marcelo Santos. Na ocasião de sua saída, meus amigos de canto se voltaram para mim e sugeriram a idéia novamente: “E se você nos dirigisse?”… Novamente Continue reading “Madrigal CorDaVoz”

Dalcroze - Português

Experimentando Dalcroze

“Caminhe no pulso do ritmo!”, “Mova-se com a música!”. Esses comandos são alguns exemplos do que se pode ouvir durante os primeiros momentos de uma aula de Eurritmia, ou Rítmica Dalcroze. Apesar de parecerem um tanto estranhas para um estudante de música no modelo tradicional, estas simples instruções podem fazer toda a diferença para os músicos aspirantes.

Para uma pessoa que não conhece o método, uma aula de Rítmica Dalcroze pode parecer uma aula de dança. Os alunos estão descalços, caminhando, saltitando, correndo, movendo os braços no ar, gesticulando ou batendo palmas – tudo isso acontecendo enquanto alguém toca piano. Mas não se engane: toda essa movimentação é música!

O professor improvisa no piano para que os alunos se movam respondendo a um motivo rítmico, uma frase ou outro elemento musical – tudo parte de um plano para ajudar os alunos a experimentarem e entenderem um assunto musical. Em um determinado momento, professor e alunos discutem a teoria por trás dos exercícios propostos, e a notação musical apropriada é escrita. Através de movimentos corporais, a mente aprende, analisa e compreende. A partir de movimentos básicos como caminhar, os participantes aprendem sobre a transferência de peso encontrada no conceito de pulsação. Movimentos mais Continue reading “Experimentando Dalcroze”

Dalcroze - English

Experiencing Dalcroze

“Step the beat!” “Move to the music!” These commands are examples of what one may hear during the first couple of minutes of a Eurhythmics lesson. While they may seem a bit strange for a music student trained in a more conventional tradition, these simple instructions can make a huge difference for aspiring musicians.

To an outsider, a Eurhythmics class may look like a dance lesson. Students are barefoot, stepping, skipping running, moving their arms up in the air, making gestures, and clapping – everything happening while someone plays the piano. But don’t fool yourself; the movement is all about the music!

The teacher improvises on the piano so the students can move to a pattern, meter, phrase or other element in the music – it’s all part of a plan to help students fully experience and understand a musical subject. At a given point, both the teacher and the students discuss the theory behind the exercises, and the proper musical notation is written. Through body movement, the mind learns, analyses and understands. From basic movement such as walking, participants learn about the weight transfer found in the concept of beats. More “complicated” movement, such as skipping or waltzing, bring compound meter to life. Continue reading “Experiencing Dalcroze”