Dalcroze - Português

Experimentando Dalcroze

“Caminhe no pulso do ritmo!”, “Mova-se com a música!”. Esses comandos são alguns exemplos do que se pode ouvir durante os primeiros momentos de uma aula de Eurritmia, ou Rítmica Dalcroze. Apesar de parecerem um tanto estranhas para um estudante de música no modelo tradicional, estas simples instruções podem fazer toda a diferença para os músicos aspirantes.

Para uma pessoa que não conhece o método, uma aula de Rítmica Dalcroze pode parecer uma aula de dança. Os alunos estão descalços, caminhando, saltitando, correndo, movendo os braços no ar, gesticulando ou batendo palmas – tudo isso acontecendo enquanto alguém toca piano. Mas não se engane: toda essa movimentação é música!

O professor improvisa no piano para que os alunos se movam respondendo a um motivo rítmico, uma frase ou outro elemento musical – tudo parte de um plano para ajudar os alunos a experimentarem e entenderem um assunto musical. Em um determinado momento, professor e alunos discutem a teoria por trás dos exercícios propostos, e a notação musical apropriada é escrita. Através de movimentos corporais, a mente aprende, analisa e compreende. A partir de movimentos básicos como caminhar, os participantes aprendem sobre a transferência de peso encontrada no conceito de pulsação. Movimentos mais “complicados”, como saltitar ou valsar, fazem com que compassos compostos tenham vida. Praticamente todos os elementos musicais podem ser interpretados pelo corpo no espaço físico: duração, dinâmica, altura, fórmula de compasso, andamento, fraseado, etc.

Em uma aula da Rítmica Dalcroze, o corpo todo deve estar atento, ouvindo e respondendo aos sinais musicais ao seu entorno. Estes movimentos são uma parte essencial de como sentir e internalizar aqueles conceitos musicais para que, mais tarde, a música possa ser naturalmente apresentada e entendida. Todo esse processo leva a uma performance artística que está verdadeiramente ligada a seu significado musical. O corpo humano é o instrumento musical mais primário que temos, independente de qual instrumento se escolha tocar. Nós precisamos ser capazes de realmente sentir a música dentro de nós para tocar ou cantar com competência.

Como diretora de coral e cantora, eu trabalho com corais amadores que decidiram adicionar elementos cênicos a suas apresentações. Os grupos têm músicas brasileiras e folclóricas em seus repertórios. A experiência com o método Dalcroze tem me ajudado a melhor conduzir ensaios e performances. Os exercícios mencionados acima e a filosofia do método têm sido extremamente úteis no desenvolvimento da musicalidade e no “sentir” da música dos grupos.

Algumas vezes, os membros do coral têm que se mover de um ponto do palco para outro enquanto caminham no pulso da música e cantam suas respectivas partes ao mesmo tempo; outras vezes, o grupo pode usar gestos para representar uma frase ou verso de uma canção durante a apresentação. Os grupos cantam arranjos a três ou quatro vozes e é muito comum nesses tipos de arranjos se ter ritmos complementares entre as linhas. Isto, às vezes, pode ser difícil para cantores que não são profissionais na área executarem, principalmente se eles não sentem o momento certo de entrar. O estudo da Rítmica Dalcroze ajuda casos assim a acontecerem.

Alguns dos exercícios podem também ser usados para melhor preparar os grupos no ensaio de uma peça, especialmente nas partes mais difíceis. Os coralistas podem caminhar no pulso da música ou em suas subdivisões e mover-se no compasso da música em questão; eles podem se acostumar a intrincados motivos musicais batendo palmas, primeiro separadamente, depois juntos; eles podem trabalhar os ritmos complementares entre as partes movendo-se e gesticulando uns para os outros. Se há background vocals em harmonia para uma linha solo, eles podem fazer gestos na duração de uma nota longa ou curta e perceber como o ritmo harmônico funciona na peça.

A experiência com a Rítmica Dalcroze oferece as ferramentas que permitem às pessoas compreenderem as idéias musicais, sua notação e seu significado com mais facilidade. A Rítmica Dalcroze contribui para uma melhor habilidade musical e apreciação artística. Uma vez que estes conceitos musicais são internalizados, eles podem propriamente ser transformados em apresentações e espetáculos bonitos e agradáveis. Assim, a música pode realizar seu propósito como uma forma de arte que verdadeiramente expressa as emoções mais profundas da vida.

(Artigo Publicado no American Dalcroze Journal – Dalcroze Society of America, Volume 34, Número 2 – Spring 2008, como recipiente da Bolsa de Estudos 2007 DSA Memorial Scholarship)